Star Wars: Knights of the Old Republic – Análise

Desde a sua aquisição pela Disney que o universo Star Wars está em constante crescimento, demonstrado pelo anúncio regular de novas séries e filmes. Nem sempre foi assim, na década de 2000 as histórias secundárias ao enredo central da série eram raras, e a exploração dos temas que iam além dos filmes era feita sobretudo nos videojogos. Entre eles, Knights of the Old Republic ganhou destaque pela qualidade e pela inclusão de mecânicas que permitiam explorar o universo Star Wars como nunca até então. O sucesso valeu-lhe sequelas e o direito a um “remake” para as consolas da geração atual. A sua chegada à Nintendo Switch não é assim uma surpresa, mas não deixa de ser uma boa notícia para os apreciadores do jogo e fãs da série.

Temos aqui uma conversão exemplar para o formato da Nintendo Switch, o que não surpreende dado que se mantém muito próximo da obra original. Sendo um jogo desenvolvido para formatos de outros tempos, identificam-se alguns elementos estruturais que no seu tempo original eram pontos altos dos RPG, mas que hoje são banais e alguns deles encontram-se mesmo ultrapassados. A personalização da nossa personagem é um bom exemplo disso mesmo: é possível optar por um sistema de classes, distribuição de atributos da personagem, e elementos de personalização visual. O desenho dos níveis faz um bom trabalho em mitigar as suas dimensões reduzidas mas os espaços são facilmente explorados, deixando poucos segredos por revelar. É certo que visualmente os níveis encontram-se bastante datados mas estão cheios de conteúdo que faria disparar o coração de qualquer amante da série. À luz dos padrões contemporâneos, o combate é demasiado simplista. E se é verdade que um combate com sabres de luz compensa a simplicidade, chegar a um momento daqueles só será possível após algumas horas de jogo.

O enredo oferece várias opções de diálogo com impacto na história mas são poucos os momentos em que o peso das nossas escolhas se faz sentir. O maior peso cai sobre o medidor da nossa personagem, que nos aproxima mais do lado negro ou do lado luminoso da Força, com impacto significativo no final da aventura onde se encontram várias alternativas. Isto serve de motivação para voltar a viver a aventura seguindo rumos opostos. A jogabilidade segue o padrão da XBox original, descartando o ecrã táctil da Switch. Dado que a versão original para PC tinha elementos de aventura “point and click”, seria interessante recuperar opções desse âmbito nesta conversão.

O jogo apresenta uma qualidade bastante assinalável e chega à Nintendo Switch na sua melhor forma, mas os seus pontos mais datados não lhe permitem ombrear com jogos mais recentes – isso terá de ficar a cargo do futuro “remake”.

CONCLUSÃO

CONCLUSÃO
7 10 0 1
Star Wars: Knights of the Old Republic chega ao catálogo da Nintendo Switch numa conversão exímia que permite aos fãs do original reviver o jogo com a versatilidade que a Nintendo Switch lhe confere enquanto aguardam pelo seu anunciado "remake". Para o resto do público o jogo não terá a mesma atração devido às suas mecânicas ultrapassadas e demasiado simplistas para os padrões contemporâneos.
Star Wars: Knights of the Old Republic chega ao catálogo da Nintendo Switch numa conversão exímia que permite aos fãs do original reviver o jogo com a versatilidade que a Nintendo Switch lhe confere enquanto aguardam pelo seu anunciado "remake". Para o resto do público o jogo não terá a mesma atração devido às suas mecânicas ultrapassadas e demasiado simplistas para os padrões contemporâneos.
7/10
Total Score

Pontos positivos

  • Conversão exemplar
  • Enredo surpreendente e com finais alternativos
  • Muitos elementos interessantes para os fãs

Pontos negativos

  • Não explora o ecrã táctil da Switch
  • Muitas mecânicas ultrapassadas

Sérgio Mota

Após passar grande parte da sua infância em Hyrule e no Mushroom Kingdom dedica-se agora a explorar o vasto universo digital que o rodeia. Embora seja entusiasta de novos títulos é possível encontrá-lo frequentemente a revisitar os clássicos.