Ashwalkers – Análise

Não faltam videojogos que exploram uma temática pós-apocalíptica e a Nintendo Switch não é exceção. Ashwalkers foi lançado recentemente na eShop e tenta trilhar o seu caminho através de uma proposta com algumas boas ideias e muita sobrevivência.

Duzentos anos depois de uma série de grandes desastres vulcânicos, a Terra tornou-se um mundo pós-apocalíptico. Num cenário opressivo, desolador e pintado em tons de cinza, a exploração e sobrevivência constituem o cerne de Ashwalkers. Acompanhando uma equipa de quatro personagens, cada uma com as suas características e que vão do destemido ao pragmático, a ação decorre umbilicalmente ligada à forma como gerimos a relação da equipa e as decisões momentâneas na aventura. Com uma progressão relativamente linear, a campanha dura duas horas mas com momentos aleatórios que abrem o leque e através do chamado “efeito borboleta” é possível chegar a trinta e quatro finais possíveis.

O elemento de sobrevivência encontra-se presente nos quatro elementos das personagens: calor, fome, sanidade e energia. Cada elemento esgota-se durante a jornada e é importante encontrar mantimentos e recursos para os manter. Montar um acampamento é fundamental para descansar e as conversas recuperam sanidade e energia. A forma como gerimos os recursos e a relação entre os membros equipa deve alterar o destino final, mas muitos dos acontecimentos parecem estar completamente fora do nosso controlo. Por outro lado, a importância da relação com a equipa cai por terra devido ao fraco desenvolvimento das personagens e uma criação de laços emotivos com o jogador que fica aquém das expectativas. O próprio elemento de sobrevivência é menos relevante devido à relativa abundância de recursos.

A coesão de Ashwalkers sai também prejudicada pela vertente técnica. A ideia é interessante e a estética acompanha a temática mas o jogo está cheio de problemas. A fluidez não é a desejável, os controlos nem sempre respondem corretamente, as animações são demasiado robóticas e há demasiados erros. O próprio aspeto visual, com uma predominância da cor cinzenta, atrapalha a leitura de alguns textos. Um produto com uma falta de trabalho desapontante.

CONCLUSÃO

CONCLUSÃO
5 10 0 1
Apesar das boas ideias, o ambiente pós-apocalítico de Ashwalkers sai prejudicado pelos problemas técnicos e desenvolvimento fraco das personagens. Só os mais corajosos vão querer vivenciar as dezenas de finais disponíveis.
Apesar das boas ideias, o ambiente pós-apocalítico de Ashwalkers sai prejudicado pelos problemas técnicos e desenvolvimento fraco das personagens. Só os mais corajosos vão querer vivenciar as dezenas de finais disponíveis.
5/10
Total Score

Pontos positivos

  • Temática pós-apocalíptica
  • Muitos finais para descobrir

Pontos negativos

  • Demasiados problemas técnicos
  • Controlos nem sempre respondem bem
  • Falta de alguma ligação emocional às personagens

Nuno Nêveda

Calorias, nutrientes e Nintendo. Três palavras que definem o maior fã de F-Zero cá do sítio. Adepto de hábitos alimentares saudáveis, quando não anda atrás de uma balança, costuma estar ocupado com as notícias mais prementes e as análises mais exigentes.