Inked: A Tale of Love – Análise

É fácil passar ao lado de uma proposta interessante na eShop da Nintendo Switch quando há tantos jogos disponíveis baseados em tantos conceitos diferentes. Felizmente ainda se vão encontrando algumas novidades encantadoras e surpreendentemente bem construídas. Inked: A Tale of Love é um desses casos, um pedaço digital pequeno mas adorável.

Inked é uma aventura à base de “puzzles” com uma direção artística desenhada à mão e como o título dá a entender, conta uma história de amor, aqui protagonizada pelo Herói Sem Nome na busca do seu amor perdido, Aiko. A ação decorre num mundo mitológico repleto de belas paisagens desenhadas com caneta esferográfica e inspiradas em lendas japonesas. Apesar da envolvência romântica, trata-se de uma jornada de altos e baixos que também se interliga com a história da vida do próprio artista das pinceladas. Uma experiência satisfatória e comovente que vai mexer com o coração de muitos.

Ao longo de dez mundos minimalistas, com um prólogo, nove episódios e um epílogo, Inked: A Tale of Love apresenta-se como um jogo descontraído e calmo, onde se encontram quebra-cabeças sem um grau de exigência demasiado elevado e onde raramente nos deparamos com momentos onde ficamos presos num determinado ponto. A maioria dos quebra-cabeças pede que o herói ajude a sua amada a atravessar os cenários: mover um bloco ou uma rampa ou interagir com objetos, há uma noção eficaz de progressão e são introduzidas ideias novas ao longo dos episódios. Tudo isto com controlos simples, talvez por causa das origens do jogo nos dispositivos móveis, e uma perspetiva isométrica.

Com um ambiente visual único e uma banda sonora a fazer jus à temática, Inked: A Tale of Love conta também com um som ambiente de qualidade acima da média. Algo mais raro na Nintendo Switch, aqui existe ainda uma opção para ajustar o desempenho gráfico entre três níveis. Uma adição interessante, mas notam-se algumas quebras esporádicas de fluidez nos desempenhos mais elevados. Talvez a maior limitação deste jogo esteja na sua duração, um par de horas é suficiente para percorrer esta aventura.

CONCLUSÃO

CONCLUSÃO
8 10 0 1
Inteligente, curto, e comovente. Esta é a melhor descrição para Inked: A Tale of Love. Não traz desafios revolucionários mas é extremamente bem construído e eficaz. Uma opção a ter em contra para os adeptos do género.
Inteligente, curto, e comovente. Esta é a melhor descrição para Inked: A Tale of Love. Não traz desafios revolucionários mas é extremamente bem construído e eficaz. Uma opção a ter em contra para os adeptos do género.
8/10
Total Score

Pontos positivos

  • História de amor comovente
  • Muito bem construído
  • Ambiente visual único

Pontos negativos

  • Podia ser mais exigente
  • Demasiado curto

Nuno Nêveda

Calorias, nutrientes e Nintendo. Três palavras que definem o maior fã de F-Zero cá do sítio. Adepto de hábitos alimentares saudáveis, quando não anda atrás de uma balança, costuma estar ocupado com as notícias mais prementes e as análises mais exigentes.

Subscrever
Notificar de
0 Comentários
Ver todos os comentários