Nexomon – Análise

Nexomon surgiu em 2017 para dispositivos móveis e para o PC com o intuito de colmatar a escassez de RPG baseados na apanha de criaturas fora do universo Nintendo. A sua sequela acabou por chegar à Switch, que recebe agora também o jogo original. O enredo pode não ser extraordinário mas consegue manter-nos interessados ao longo da aventura. Se a sequela previamente analisada mostra melhores qualidades nesta vertente, o jogo original tenta tornar o enredo um elemento diferenciador em relação a jogos semelhantes, apresentando um fio condutor coerente e motivante.

A estrutura do jogo é o que se espera: escolhemos uma criatura e podemos apanhar outras ao longo do jogo. É possivel levar até seis a combate, que funciona por turnos e com base numa versão alargada de um esquema ao estilo pedra-papel-tesoura, que explora os pontos fortes e fracos de cada uma.

O mundo do jogo tem uma dimensão bastante razoável para uma obra desta ambição, onde se encontram bastantes elementos com que interagir e muita coisa para descobrir, o que garante uma longevidade bastante saudável para os jogadores mais dedicados à exploração. O jogo conta com mais de trezentas criaturas para apanhar, algumas mais raras que outras. A forma de as apanhar é eficaz e mais simples que na sequela. O ambiente visual encontra-se bem executado, exibindo um equilíbrio bastante bem conseguido entre os elementos estáticos e as animações, ainda que falte alguma originalidade ao desenho dos Nexomon propriamente ditos e algumas das criaturas são muito semelhantes ao que se encontra noutras propostas.

CONCLUSÃO

CONCLUSÃO
6 10 0 1
Nexomon é um jogo interessante e uma alternativa minimamente capaz aos exclusivos da Nintendo. Se a sua sequela (mais interessante) já tinha pouca margem face à concorrência feroz no catálogo da eShop, o original limita a recomendação aos mais curiosos, já que os outros jogadores terão alternativas melhores para explorar.
Nexomon é um jogo interessante e uma alternativa minimamente capaz aos exclusivos da Nintendo. Se a sua sequela (mais interessante) já tinha pouca margem face à concorrência feroz no catálogo da eShop, o original limita a recomendação aos mais curiosos, já que os outros jogadores terão alternativas melhores para explorar.
6/10
Total Score

Pontos positivos

  • Enredo bem conseguido
  • Variedade de criaturas

Pontos negativos

  • Sem pontos de destaque face a concorrência
  • Pouco original

Sérgio Mota

Após passar grande parte da sua infância em Hyrule e no Mushroom Kingdom dedica-se agora a explorar o vasto universo digital que o rodeia. Embora seja entusiasta de novos títulos é possível encontrá-lo frequentemente a revisitar os clássicos.