Nekopara Vol. 4 – Análise

Como não poderia deixar de ser, a equipa Nekoworks e a sua magia produziram mais um “Visual Novel” que se junta ao catálogo da Nintendo Switch: Nekopara Vol. 4. Para quem desconhece a série, trata-se de um conjunto de aventuras cómicas (com elementos para maiores de 18, mas deixados de fora desta versão para a Switch) em torno de um dono de uma pastelaria, chamada La Soleil, e as suas empregadas meio-felinas, meio-humanas. Neste quarto título as aventuras do protagonista, Kashou, seguem a fórmula comprovada “em equipa que ganha não se mexe”.

Por algum motivo que desconhecemos e mesmo tendo em conta os acontecimentos dos três jogos anteriores, o pai do protagonista continua sem reconhecer o seu esforço e sucesso. Após levar um raspanete, Kashou decide viajar para França com o objetivo de melhorar as suas capacidades. É aqui que decorrem todas as aventuras deste quarto capítulo, e também onde descobrimos uma nova adição ao elenco de empregadas divertidas e tolas.

Três jogos depois é divertido constatar que finalmente o protagonista tem um desenvolvimento mais humano e profundo. Anteriormente a ação esteve sempre concentrada no sucesso de La Soleil e no elenco crescente do estabelecimento, mas neste quarto volume o enredo assemelha-se mais a um episódio especial de férias, onde as personagens contracenam bastante em situações absurdas e focadas no desenvolvimento das suas personalidades. Isto pode por vezes prejudicar a estrutura: todas as personagens precisam de destaque, e para isso acontecer é necessário interromper o elemento principal do enredo, a demanda de Kashou.

Não deixam de ser situações divertidas e cómicas a que a série sempre nos habituou, mas há momentos em que apenas queremos ultrapassar as tolices do costume em prol do avançar do enredo. Por outro lado é triste confirmar que Kashou, a estrela deste quarto volume, é a única personagem sem voz. Compreende-se que seja para encurtar a relação entre protagonista e jogador, mas nesta série e neste jogo o contrário seria melhor.

Visualmente estamos perante o auge da série até à data. Desde os modelos das personagens e suas animações, até às imagens que descrevem em maior pormenor as situações-chave, tudo é apresentado de forma cuidadosa e colorida, não fosse este um dos maiores pontos de interesse da série. Para um género conhecido pelas suas imagens estáticas e texto que nunca termina, Nekopara Vol. 4 coloca as personagens em movimento de um lado para o outro de uma forma bastante lúdica e interessante. Ironicamente e para uma série tão simples, trata-se de um dos “Visual Novels” mais bonitos até à data.

Para os novatos na série, este capítulo de Nekopara não dispõe de caminhos diferentes com finais distintos (tal como acontecia com os capítulos anteriores), o enredo é completamente linear e vai do ponto A ao ponto B. Não é uma característica negativa, mas é importante referir uma vez que é comum os “Visual Novels” apresentarem vários percursos para o desenvolvimento do enredo, levando a finais diferentes. A única diferença mais palpável, na falta de melhor palavra, é a interação que o jogador consegue ter a qualquer momento com as empregadas fiéis e leais. É possível fazer-lhes festas na cabeça, trazendo consigo toda uma panóplia sonora adequada ou então, de forma mais indecente, tocar-lhes no peito e observar os rostos a ficar vermelhos e envergonhados. Não se deixem enganar, Nekopara é uma série com muitos elementos eróticos, uns mais críticos do que outros. Ainda assim esta versão para Nintendo Switch, com uma classificação etária para maiores de 16, é mais “soft” do que se encontra no PC.

CONCLUSÃO

CONCLUSÃO
Repleto de momentos cómicos e alguns mais marotos do que o habitual, Nekopara Vol. 4 é mais um capítulo numa série de "Visual Novels" bastante boas. No caso deste título o ênfase vai para uma jornada mais pessoal do protagonista do que se encontra nos três jogos anteriores. No entanto essa opção não impede o jogo de ser mais do mesmo, o que neste caso em particular é muito bem-vindo.
Repleto de momentos cómicos e alguns mais marotos do que o habitual, Nekopara Vol. 4 é mais um capítulo numa série de "Visual Novels" bastante boas. No caso deste título o ênfase vai para uma jornada mais pessoal do protagonista do que se encontra nos três jogos anteriores. No entanto essa opção não impede o jogo de ser mais do mesmo, o que neste caso em particular é muito bem-vindo.
8/10
Pontuação Final

Pontos positivos

  • Momentos cómicos entre as personagens
  • Enredo mais emotivo
  • Direção artística deslumbrante

Pontos negativos

  • Alguns momentos "ecchi" são exagerados

Ulisses Domingues

Analisar um videojogo é como uma experiência gastronómica: pode correr muito bem, muito mal ou não correr de todo. Pelo menos é o que este membro da equipa acredita. No entanto, nunca deixará que a sua fome altere os critérios de análise. Pelo menos não muito.