PHOGS! – Análise

Serão poucas as pessoas que se encontram atualmente na casa dos vinte anos e que não viram CatDog, um desenho animado bastante popular no final da década de 1990 que com muita imaginação, colocava um animal siamês entre um gato e um cão a enfrentar várias peripécias. PHOGS! inspira-se bastante nesse conceito, juntando na sua jogabilidade uma dose muito grande de Brothers: A Tale of Two Sons. O resultado? Um jogo muito divertido e alegre, ainda que tenha algumas arestas por limar na Nintendo Switch.

Esta não é, contudo, uma história sobre um cão e um gato, mas sim sobre dois cães. Ou um. Depende do ponto de vista. A sua raça é conhecida pelo nome de “phoggos” e têm os nomes mais simples de sempre: Red e Blue, devido à cor das suas coleiras. PHOGS! apresenta-se como um jogo onde se utilizam as leis da física para resolver “puzzles” em cada nível, seja a solo ou a dois jogadores de forma cooperativa, localmente ou online. É importante mencionar que a experiência cooperativa é muito mais divertida, já que a solo é possível um jogador ver-se às turras com os controlos, mas em conjunto? É mágico.

Sendo possível controlar os phoggos com os dois analógicos, a resolução dos quebra-cabeças acontece com alguma facilidade mas também requer muita imaginação. Apesar de não disporem de mãos, estes melhores amigos do homem conseguem morder objetos e é esta a mecânica utilizada em muitas situações caricatas como por exemplo, morder uma ventoinha e o ar sair pela outra boca. É estranho mas devido à direção artística e à ligeireza dos temas, o jogo acaba por nos conquistar.

A forma como os níveis estão construídos ajuda bastante a enaltecer os quebra-cabeças. Os obstáculos são fáceis, mas ainda assim há um ou outro que obrigam a pensar fora do quadrado e a experimentar soluções menos ortodoxas. Engraçada também é a temática dos níveis, desenvolvida em três partes: “Food”, “Play” e “Sleep”. Faz sentido. Os cães só comem, brincam e dormem. Cheios de elementos carismáticos, estas etapas deixam sempre um sorriso nos lábios.

Apesar da premissa de resolver quebra-cabeças com base nas leis da física não ser algo de novo, é positivo ver que PHOGS! consegue executar tudo muito bem, fora um ou outro percalço técnico relacionado com saídas inesperadas para o menu principal e algumas falhas na física dos phoggos. A experiência pouco se ressente, mas é algo que tem de ser mencionado.

CONCLUSÃO

CONCLUSÃO
Terminar 2020 a controlar dois cães ligados entre si num mundo colorido e divertido com muitos quebra-cabeças não é de todo o que eu esperava. Ainda assim e graças ao seu conceito e execução, PHOGS! é uma experiência única e divertida, apesar de uma ou outra falha. Mais recomendável ainda se for houver parceiro para a loucura.
Terminar 2020 a controlar dois cães ligados entre si num mundo colorido e divertido com muitos quebra-cabeças não é de todo o que eu esperava. Ainda assim e graças ao seu conceito e execução, PHOGS! é uma experiência única e divertida, apesar de uma ou outra falha. Mais recomendável ainda se for houver parceiro para a loucura.
7/10
Pontuação Final

Pontos positivos

  • "Puzzles" simples, mas divertidos
  • Ambiente colorido e alegre
  • Conceito fora do normal

Pontos negativos

  • Alguns erros no desempenho

Ulisses Domingues

Analisar um videojogo é como uma experiência gastronómica: pode correr muito bem, muito mal ou não correr de todo. Pelo menos é o que este membro da equipa acredita. No entanto, nunca deixará que a sua fome altere os critérios de análise. Pelo menos não muito.